Anúncio dos selecionados para as mostras Outros Olhares, Exibicões Especiais e Filme de Encerramento

ENCERRAMENTO DO OLHAR DE CINEMA TRAZ GLAUBER PARA OS DIAS DE HOJE

Em todo o delírio de suas fábulas, Glauber Rocha antecipou muita coisa do que vê-se hoje no país. Em Antena da Raça, Paloma Rocha e Luís Abramo resgatam diálogos, trechos, cenas dos filmes e entrevistas feitas pelo diretor do Cinema Novo e os atualizam com personagens reais, atores da nossa tragédia contemporânea. É com esse filme, que intercala passado e presente, que o Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba encerra sua 9ª edição.

FILME DE ENCERRAMENTO

Antena da Raça (Brasil, 2020, 71 min.), de Paloma Rocha e Luís Abramo

O filme se apropria e rediscute a realidade brasileira a partir dos diálogos, trechos e cenas dos filmes viscerais de Glauber Rocha e do seu desejo de “retirar as máscaras”, da nossa saga terceiro mundista. A loucura lúcida das fábulas de glauberianas está na rua, na política, sendo o povo hoje o contra plano dos personagens dos seus filmes.

EXIBIÇÕES ESPECIAIS 

Entre as mostra deste ano, está a Exibições Especiais, que conta com filmes de grandes mestres do cinema mundial e busca a redescoberta de títulos, privilegia o cinema brasileiro e abre um espaço especial para pré-estreias.

Com uma seleção reduzida nesta edição, a seleção traz apenas dois títulos que sintetizam muito bem a o objetivo da mostra. O TANGO DO VIÚVO e seu espelho deformador, é um deles. Primeiro longa-metragem do diretor chileno Raúl Ruiz, filmado em 1967, o filme só foi finalizado este ano pela viúva do cineasta, Valeria Sarmiento. O Tango do Viúvo foi encontrado recentemente, restaurado e teve a sua primeira exibição no Festival de Berlim.

Quem completa a seleção é o diretor brasileiro Karim Aïnouz, com seu filme Nardjes A. O longa também foi exibido este ano na Berlinale e conta a história da militante argelina que lhe dá nome em meio aos protestos populares contra a quinta candidatura do então presidente Bouteflika.

Nardjes A. (Argélia/França/Alemanha/Brasil/Catar, 2020, 80 min), de Karim Aïnouz

O TANGO DO VIÚVO e seu espelho deformador (Chile, 2020, 63 min), de Raúl Ruiz e Valeria Sarmiento

OUTROS OLHARES

A Mostra Outros Olhares mescla em sua seleção longas e curtas-metragens ainda mundialmente inéditos e filmes que já possuem uma trajetória em festivais e mostras internacionais recentes. São várias propostas, estilos, linguagens e abordagens feitos em torno de uma série de extremidades que reflete o mundo atual.

Fazem parte da seleção de longas-metragens os brasileiros inéditos O índio cor de rosa contra a fera invisível: a peleja de Noel Nutels, de Tiago de Almeida, e A Flecha e a Farda, de Miguel Antunes Ramos, além de O Reflexo do Lago, de Fernando Segtowick, que esteve na seleção Festival de Berlim. Da Berlinale também chegam o indiano Crônica do Espaço, de Akshay Indikar, a co-produção França, Bélgica e Burkina Faso, Traverser (Após a Travessia), dirigido por Joël Akafou, e o longa argentino Responsabilidade Empresarial, de Jonathan Perel. 

Do FIDMarseille chega a co-produção Eslovênia e República Tcheca, Oroslan, de Matjaz Ivanisin, do NY Film Festival vem Trouble, uma co-produção entre Estados Unidos e Reino Unido dirigida por Mariah Garnett e, por fim, o longa chileno Visão Noturna, dirigido por Carolina Moscoso Briceño.

Curtas de todos os lugares

A seleção de curtas-metragens também traz um recorte na nova produção brasileiro, com os títulos Manual do Zueiro Sem Noção, de Joacélio Batista; Memby, de Rafael Castanheira Parrode e Rafameia, de Mariah Teixeira e Nanda Félix. Representantes de vários outros países também estão na seleção, como Irã, Argentina, Camboja, Cuba e Rússia.

Confira a lista completa de selecionados para a mostra OUTROS OLHARES:

Longas-metragens

Oroslan (Oroslan, Eslovênia, República Tcheca, 71 min.), de Matjaz Ivanisin

Responsabilidade Empresarial (Responsabilidad Empresarial. Argentina, 68 min.), de Jonathan Perel

Quem Tem Medo de Ideologia? (Who Is Afraid of Ideology?, Líbano, Síria, Curdistão iraquiano, 57 min.), de Marwa Arsanios;

Traverser (Após a Travessia) (Traverser [After the Crossing], França, Bélgica, Burkina Faso, 77 min.), de Joël Akafou;

Crônica do Espaço (Sthalpuran [Chronicle of Space], Índia, 86 min.) de Akshay Indikar;

Trouble (Estados Unidos, Reino Unido, 82 min.), de Mariah Garnett;

O Reflexo do Lago (Brasil, 80 min.), de Fernando Segtowick.

O índio cor de rosa contra a fera invisível: a peleja de Noel Nutels (Brasil, 71 min.), de Tiago de Almeida.

A Flecha e a Farda ( Brasil, 85 min.), de Miguel Antunes Ramos.

Visão Noturna (Visión nocturna, Chile, 80 min.), de Carolina Moscoso Briceño

Curtas-metragens

Manual do Zueiro Sem Noção (Brasil, 16 min.) de Joacélio Batista;

Memby (Brasil, 18 min.) de Rafael Castanheira Parrode;

Rafameia (Brasil, 24 min.) de Mariah Teixeira, Nanda Félix;

Eu Interior (Nahan, Irã, 15 min.) de Mohammad Hormozi;

Playback. Ensaio de uma Despedida (Playback. Ensayo de una despedida, Argentina, 14 min.) de Agustina Comedi;

Alienígena (REONGHEE, África do Sul, 15 min.) de Jegwang Yeon;

Sonho Californiano (Soben California, Cambodja, 16 min.) de Sreylin Meas;

Garotas Crescem Desenhando Cavalos (Girls grow up drawing horses, EUA, 7 min.) de Joanie Wind;

Mary, Mary, So Contrary (Singapura, 15 min.) de Nelson Yeo;

As Chamas do Sol (Las llamas del sol, Espanha, 12 min.) de Pepe Sapena;

Botões Dourados (Zolotye Pugovitzi [The Golden Buttons], Russia, 20 min.), de Alex Evstigneev;

Os Meninos Lobo (Los niños lobo, Cuba, 18 min.) de Otávio Almeida;

Rios Solitários (Lonely Rivers, Espanha, França, 28 min.) de Mauro Herce.

Os filmes ficam disponíveis das 6h do dia de exibição até as 5h59 do dia seguinte.