O cinema de Murnau – Por Luciano Berriatúa

O cineasta, historiador e arquivista espanhol Luciano Berriatúa foi o restaurador-chefe em várias restaurações recentes dos filmes de F.W. Murnau. Ele também realizou documentários sobre o mundo de Murnau e seus filmes. No breve texto a baixo, escrito especialmente para a seção Olhar Retrospectivo deste ano, Berriatúa descreve o valor continuo da obra de Murnau. Mais informações sobre a retrospectiva podem ser encontradas em http://olhardecinema.com.br/2017/2017/olhar-retrospectivo-f-w-murnau/.

 O cinema não é uma arte para cegos. Não basta escutar a trilha sonora de um filme para saber do que se trata. Poderíamos acreditar saber como foi o filme, mas nos faltaria o essencial. O cinema é uma arte visual, e os grandes cineastas sabem como criar uma linguagem de imagens que comunicam emoções.

Um dos maiores foi, sem dúvida, Murnau. Ele tinha vocação de pintor e soube adaptar-se ao cinema trabalhando a linguagem pictórica. Por séculos, a pintura tem expressado os sentimentos mais sutis e as emoções mais fortes através da imagem, e Murnau compreendeu que o cinema não nasceu do zero, mas sim, continuou o trabalho milenar dos criadores da linguagem visual.

Murnau ainda é capaz de convencer o espectador a participar de assuntos que, a priori, não lhe interessaria através das emoções visuais criadas com suas imagens.

Poderíamos dizer que ele se viu obrigado a trabalhar dessa maneira com a imagem porque o cinema era mudo, mas não devemos nos equivocar, a imagem é mais sugestiva e impactante do que a palavra.

E, também, seu cinema não era para surdos. Murnau sabia muito bem que a música e o ritmo (também o visual) eram essenciais para criar emoções inconscientes no espectador. Por isso, deveríamos assistir aos filmes de Murnau com seus acompanhamentos musicais originais, aqueles em que o próprio cineasta trabalhou. (Na mostra Olhar Retrospectivo, os filmes de Murnau vão passar com acompanhamentos musicais das trilhas sonoras originais, adaptações das mesmas ou novas composições.)

Acredito que Murnau abriu um caminho artístico e didático para conduzir o pensamento do espectador através de emoções geradas em seu inconsciente, por músicas e imagens pictóricas facilmente elaboradas por este grande cineasta, que, ainda hoje, mostra uma via possível e rica em possibilidades para a arte cinematográfica.